Arquivo da categoria ‘Outras’


     Aconteceram as eleições paroquiais da RCC da cidade de Três Pontas. A partir da assembléia diocesana, assumem as coordenações da Paróquia N. Sra. Aparecida, Izaltina (G.O.Kerigma), Paróquia D’Ajuda, Marília (G.O.Kyrios) e Paróquia Cristo Redentor, Eldo (G.O. Exército de Deus).

    Quando se muda liderança, em qualquer âmbito da sociedade, isso sempre traz mudanças. Isso porque cada pessoa tem sua visão, seu modo de trabalho, seus objetivos.

    Isso para um movimento como a RCC é muito positivo, pois, por um lado, o líder é chamado a manter antigos projetos, dar seqüência em determinados trabalhos. Mas, ao mesmo tempo, está aberto ao novo e à unção nova que Deus dá para este tempo.

    Junto com toda a equipe paroquial, este líder irá discernir as maiores necessidades, e traçar os projetos e trabalhos para o novo ano de missão.

    Orem pelos seus coordenadores, pois, foram eleitos pelos próprios grupos de oração, que, discernindo, acharam que seria um bom representante para a RCC na sua respectiva paróquia.

    Que venha o novo de Deus.

Rebanhão de Carnaval no CAIC

Publicado: 16/01/2012 em Outras

Profetas de mau agoro

Publicado: 01/08/2011 em Outras

Esses dias um amigo veio indagar sobre uma pregação que ouviu, onde se dizia de um certo “esfriamento” na RCC, e de “um posssível fim” do movimento. Argumentava-se que no início os grupos de oração eram mais fervorosos, as pessoas eram mais assíduas, que o movimento está perdendo participantes.

         Longe de querer fazer uma generalização, obviamente há lugares onde a RCC perdeu espaço, devido a vários fatores. Dentre estes fatores, poderíamos pensar em perseguição, mudança de membros mais ativos que constituíam liderança, um recuar devido a um tempo necessário para amadurecimento, queda da liderança, etc. Posso estar errado, mas colocaria o esfriamento como um dos últimos fatores. Cito o exemplo de uma pequena cidade aqui da região, Córrego do Ouro. Uma irmã de lá dizia que muitos jovens assumem os grupos, daí movimentam e atraem participantes. Mas daí chega o tempo desses jovens irem embora estudar, e como eram lideranças, modelos, a cidade fica sem referencial novamente. Esta é uma realidade particular vivida em muitos lugares.
Fico triste quando escuto certas pregações: pessoas reclamando da participação do povo em encontros, de seus grupos, de seus servos, e pior: num saudosismo exasperado.
Gostaria de fazer uma análise geral de alguns eventos da RCC, e peço ajuda aos irmãos, caso tenham dados efetivos quanto a participação.

  1. Pentecostes diocesano: o primeiro que participei foi em 1996, e vi o estádio aberto em Três Corações lotado. Desde quando foi para o ginásio, até este ano, tenho visto aquele ginásio lotado de pessoas ainda. Este ano mal consegui sentar na quadra durante a celebração da missa.
  2. Congresso jovem: participei do meu primeiro, se não me engano em 1998, com uma participação de mais ou menos 400 jovens. E não tenho notícias desse número ter diminuído. Ao contrário.
  3. Retiro de carnaval em Três Pontas: o que começou em 1994 ou 1995 com participação de apenas um grupo de oração, hoje é o maior evento da RCC aqui, comparado apenas a festa de Cristo Rei, que penso estar perdendo pelo menos, em termos de estrutura. Não estão cabendo os jovens no centro pastoral. Este ano ainda surgiu o Rebanhão. Um evento aberto, que foi realizado no CAIC, com uma boa participação.
  4. Os Grupos de Oração: ao que me consta, o número de grupos de oração só se faz aumentar. Pelo menos em Três Pontas, parece que a cada bairro novo, surge um grupo quase que ao mesmo tempo. Aqui cabe uma observação: com um número menor de grupos em uma cidade, como era a realidade quando comecei em 1996, obviamente haviam mais servos e mais participantes concentrados em um único grupo. Com o aumento do número de grupos, esse povo foi se diluindo no meio deles. Em Três Pontas, um fato peculiar, é o fato de alguns fundadores de alguns grupos, terem nascido no Grupo de Oração Kyrios, um dos mais velhos da cidade, ou o mais velho.

         Sem desprezar os problemas enfrentados em algumas realidades, como Ilicínea, por exemplo, quero chamar atenção para aqueles que têm tido uma postura negativista diante da RCC. Não quero que ninguém assuma uma postura positivista alienada, que ignora os problemas. Mas ainda que houvesse um esfriamento, a postura de lideres, cheios do Espírito, não deveria ser a de confiança? De levantar os ânimos? E mais, de se fiar nas promessas do Senhor, dadas em tantas profecias para este movimento?
Nem quero aqui dizer que não podemos corrigir o que está errado. Mas, gostaria de chamar atenção para uma postura que tende a generalizar problemas e espalhar uma mentalidade que é prejudicial ao movimento. Os problemas precisam sim, ser identificados, pensados e solucionados. Mas estes problemas não podem nunca, serem tidos como algum comum a todo o movimento. Se a realidade de um grupo de oração se difere do outro a nível de paróquia, que se dirá num âmbito maior? E aí eu ouço um bendito dizendo por aí que a RCC era “só fogo” no início, que era muito melhor, muito mais ativa, etc. Cada problema deve ser bem tratado e bem direcionado. Porque senão, ao invés de você sair de um momento de pregação animado, sai carregado de preocupações e cobranças, a ainda leva isso pra sua equipe de serviço.
Dirijo este texto a lideres, que precisam buscar maturidade no falar enquanto se colocam à frente de um povo. Pois um fato natural é que falamos para os mais diferentes tipos de pessoas. Dentre elas, pessoas imaturas, que não vão saber acolher uma pregação assim, sem transferir para todo o movimento um problema que é reservado a um determinado grupo.
Agora, isso tudo que partilhei acima, toma um outro sentido se deixarmos de considerar números e quantidades, e tomarmos como referência qualidade e frutos gerados por nossos grupos. Falando da nossa realidade, quantos servos, missionários a RCC têm gerado, quantas vocações. E não penso nisso só dentro do movimento. Demos uma sondada nas pastorais e outros movimentos. Quantos líderes estão lá e que passaram por um momento de conversão dentro de nossos grupos. Eles nem ficaram na RCC, mas se converteram através dela e hoje estão inseridos em outras realidades da Igreja. Quantas conversões temos visto. Quantos corações consolados pela presença de Deus todas as semanas. Mesmo que seja um grupo de cinco pessoas.
Onde houver um grupo de oração com as portas abertas, haverá um lugar de socorro, de auxilio, de consolo, de presença do Senhor sendo anunciada e experimentada, e ali, o Espírito de Deus estará sendo derramado, seja sobre duas pessoas, seja sobre mil.
Resolvi escrever esta partilha, que também serve como formação, motivado por esta partilha do irmão, sobre a pregação que ele ouviu, e também motivado por algumas partilhas que tenho ouvido em nossas reuniões, com muitas queixas da RCC e de nossos grupos.
Repito: não quero, e não ignoro os problemas que existem, são reais e precisam ser enfrentados. Mas gostaria de motivar os irmãos, a discernirem, como, onde e com quem devemos tratar destes problemas. E mais: que os problemas, as lutas, não impeçam nossos olhos de ver, que o fervor continua o mesmo em nossos grupos. Talvez, o que tenha mudado, seja nosso coração. Talvez, quando chegamos, nosso coração era de criança, e hoje, “crescemos”, estamos “adultos”. Talvez seja necessário para alguns de nós, buscar mais uma vez este coração de criança.

Deixo a letra de uma música que sempre toca muito meu coração, e espero que toque o seu também.

Quero Ser Como Criança /Heloisa Rosa


Quero ser como criança
Te amar pelo que és
Voltar à inocência
E acreditar em Ti

Mas ás vezes sou levado
Pela vontade de crescer
Torno-me independente
E deixo de simplesmente crer

Não posso viver longe do teu amor, Senhor
Não posso viver, longe do teu afago, Senhor
Não posso viver longe do teu abraço, Senhor

Abraça-me, abraça-me, abraça-me
Com teus braços de amor

Este texto chegou até nós através de um irmão muito abençoado por Deus, e por decisão nossa decidimos não divulgar seu nome, porém divulgar o contéudo que nos chama a ver nossa atual realidade na Diocese, pregadores desanimando nosso povo, ao invés de motivar e confiar nas promessas de Deus. É um apelo diocesano, vamos confiar em Deus, onde ouver um grupo de oração vidas serão transformadas pelo porder do Espírito Santo em nossas vidas!

link extraido do site: http://www.rccdiocampanha.com.br/artigo0.html

E se… Estou sem tempo???

Publicado: 08/06/2011 em Outras

“Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo dos céus” (Ecle 3,1)
         Por esses tempos agora, especialmente por causa de ter assumido mais alguns trabalhos e responsabilidade na Igreja, ando sem tempo. E sem tempo pra que?

Veja se você se enquadra em uma das situações: um amigo convida pra ir na casa dele, ou fazer um passeio, e você percebe que não terá como ir, pelo menos nas próximas semanas; você chega em casa, e vai direto pro computador, ou para uma leitura, ou preparar algum trabalho, e mal tem tempo pra parar pra comer ou descansar; você liga ao mesmo tempo a TV e o computador, e nem sabe no que está prestando mais atenção; e assim por diante.

Penso que há muitas coisas que precisam ser feitas, mas, como nos ensina a Palavra, para cada uma delas existe um tempo certo. Não são as coisas que precisam determinar nossa vida, e sim, nós que precisamos determinar o tempo de cada uma delas, e nos organizar para tudo.

Equilíbrio é uma palavra dificil, principalmente nos dias de hoje, onde tudo é ‘urgente’. Mas isso é uma mentira. Poucas coisas são realmente urgentes. Pense nisso.

Eldo.

Adorai/GOED

Cerco de Jericó

Publicado: 17/03/2011 em Outras

Cerco de Jericó

               Porque Fazer o Cerco de Jericó? Quantas muralhas precisam ser derrubadas pelo poder de Deus em nossa vida e em nossa sociedade? Somente a força de Deus poderá operar tantas graças necessárias. Por isso celebramos o Cerco de Jericó na Quaresma, tempo de penitência e de graça especial de Deus. 

                A Igreja Matriz N. Sra D’Ajuda (Três Pontas) está de portas abertas, para adoração ao Santíssimo Sacramento, presença real de Jesus,  adorado e glorificado, dia e noite, durante toda essa semana. 

                É Jesus quem nos convida: “Pedi e recebereis. Buscai e achareis. Batei e vos será aberto. Porque todo aquele que pede recebe. Quem busca acha. A quem bate, abrir-se-á.” (Mt 7,7-8)

Vamos viver, também nós, o Cerco de Jericó, suplicando a Deus que caiam as muralhas do ódio, da violência, das doenças, das drogas, do álcool. Enfim, todas as muralhas que só a graça de Deus pode derrubar. “Foi pela fé que desabaram as muralhas de Jericó, depois de rodeadas por sete dias.” (Hb 11,30)

Rebanhão de Carnaval

Publicado: 22/02/2011 em Outras


Deus sempre cuida do homem, afirma Papa

Leonardo Meira
Da Redação Canção Nova

Papa acena para os fiéis reunidos na Praça de São Pedro: ”os discípulos do Senhor são chamados a dar novo ‘sabor’ ao mundo”, disse

O homem não está sozinho no meio do mundo. Deus é sempre seu companheiro. É isso que recordou o Papa Bento XVI antes da tradicional oração mariana do Angelus, ao reunir-se com os fiéis na Praça de São Pedro, neste domingo, 6. 

“Deus se opõe radicalmente à prepotência do mal. O Senhor cuida do homem em todas as situações, partilha os sofrimentos e abre o coração à esperança”, afirmou.

Acesse
.: Angelus de Bento XVI
.: Oração do Angelus na voz do Papa

Ao abordar o conteúdo das leituras da Liturgia deste domingo, o Santo Padre ressaltou as palavras de Jesus aos seus discípulos: Vós sois o sal da terra. […] Vós sois a luz do mundo(Mt 5,13.14).

“A sabedoria incorpora em si os efeitos benéficos do sal e da luz: de fato, os discípulos do Senhor são chamados a dar novo ‘sabor’ ao mundo, e a preservá-lo da corrupção com a sabedoria de Deus, que resplandece plenamente no rosto do Filho, porque Ele é a ‘verdadeira luz que ilumina todo o homem’ (Jo 1,9). Unidos a Ele, os cristãos podem difundir em meio às trevas da indiferença e do egoísmo a luz do amor de Deus, verdadeira sabedoria que dá significado à existência e ao agir dos homens”, explicou.

Logo após, o Pontífice recordou que, em 11 de fevereiro, celebra-se o Dia Mundial do Doente – ocasião propícia para aumentar a sensibilidade de todos os setores pela situação dos irmãos enfermos, segundo ele. Da mesma forma, neste domingo, acontece na Itália a “Jornada pela vida”, também lembrada pelo Papa.

“Desejo que todos se comprometam a fazer crescer a cultura da vida, para colocar no centro, em toda circunstância, o valor do ser humano. Segundo a fé e a razão, a dignidade da pessoa é irredutível às suas faculdades ou capacidade que pode manifestar e, portanto, não diminui quando a pessoa mesma está debilitada, inválida e necessitada de auxílio”, salientou.

O encontro

O encontro com os peregrinos aconteceu a partir da janela do escritório particular do Papa, no Palácio Apostólico Vaticano, às 12h (em Roma – 9h no horário de Brasília). Bento XVI também disse que acompanha com atenção os conflitos no Egito.

Às Delegações da Faculdade de Medicina e Cirurgia da Universidade de Roma, disse: “Quando a perquisa científica e tecnológica é guiada por autênticos valores éticos, é possível encontrar soluções adequadas para o acolhimento da vida nascente e para a promoção da mternidade. Desejo que as novas gerações de agentes sanitários sejam portadoras de uma renovada cultura da vida”.

Fonte: http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=280327