Arquivo da categoria ‘Carmelo São Jose’


A cidade de Três Pontas, sul de Minas Gerais tem motivos em dobro para comemorar. Recentemente foi aprovado pelo vaticano a abertura do processo de beatificação de Madre Tereza Margarida do coração de Maria, que viveu durante 43 anos na cidade.

veja o link do Canção Nova Notícias:

http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=283216

“Oração não é tempo perdido”, defende Bento XVI

Bento XVI abençoa os fiéis reunidos na Sala Paulo VI, no Vaticano

O Papa dedicou a Catequese desta quarta-feira, 2, a uma meditação sobre a vida e testemunho de Santa Teresa d’Ávila – também conhecida como Santa Teresa de Jesus -, um dos vértices da espiritualidade cristã de todos os tempos e responsável pela reforma da Ordem Carmelitana.A santa sublinha a importância essencial da oração – “‘significa conversar em amizade, porque frequentamos o cara a cara com Aquele que sabemos que nos ama’ (Vita 8, 5)”, diz Teresa em um trecho citado por Bento XVI

“O tempo da oração não é tempo perdido, é tempo no qual se abre a estrada da vida, abre-se a estrada para aprender de Deus um amor ardente a Ele, à sua Igreja, e uma caridade concreta para os nossos irmãos. […] A oração é vida e se desenvolve gradualmente de mãos dadas com o crescimento da vida cristã: começa com a oração vocal, passa pela interiorização através da meditação e o recolhimento, até alcançar a união de amor com Cristo e com a Santíssima Trindade. Obviamente, não se trata de um desenvolvimento em que subir aos degraus mais altos signifique deixar o precedente tipo de oração, mas é, mais que tudo, um aprofundamento gradual no relacionamento com Deus que envolve toda a vida”, ensina o Santo Padre.

.: Catequese de Bento XVI sobre Santa Teresa de Jesus

Teresa resume a verdade em dois princípios fundamentais: “de um lado, ‘o fato de que tudo aquilo que pertence ao mundo daqui passa’; de outro, que somente Deus é ‘para sempre, sempre, sempre’, tema que retorna na famosíssima poesia ‘Nada te perturbe / nada te espante; / tudo passa. Deus não muda; / a paciência tudo alcança; / quem tem a Deus, / nada lhe falta. / Só Deus basta!'”, ressalta o Bispo de Roma.

O Pontífice  salienta que não é fácil resumir em poucas palavras a profunda e articulada espiritualidade teresiana, mas menciona alguns pontos essenciais do ensinamento da santa.

Em primeiro lugar, as virtudes evangélicas como base de toda a vida cristã e humana – como o desapego dos bens, o amor uns pelos outros, a humildade, a determinação e a esperança teologal -, sem esquecer as virtudes humanas – afabilidade, veracidade, modéstia, cortesia, alegria, cultura.

Em segundo lugar, uma profunda sintonia com os grandes personagens bíblicos e a escuta viva da Palavra de Deus.

Outro tema importante é a centralidade da humanidade de Cristo. “Para Teresa, de fato, a vida cristã é relação pessoal com Jesus, que culmina na união com Ele por graça, por amor e por imitação. Daí a importância que ela atribui à meditação da Paixão e à Eucaristia, como presença de Cristo, na Igreja, para a vida de todo o crente e como coração da liturgia”.

Por fim, a perfeição é outro aspecto essencial da doutrina teresiana, entendida como aspiração de toda a vida cristã e meta final da mesma. Para Teresa, perfeição é habitar na Trindade, é união a Cristo através do mistério da sua humanidade.

“Na nossa sociedade, com frequência carente de valores espirituais, Santa Teresa ensina-nos a ser testemunhas incansáveis de Deus, da sua presença e da sua ação, ensina-nos a sentir realmente esta sede de Deus que existe na profundidade do nosso coração, este desejo de ver Deus, de buscar Deus, de estar em colóquio com Ele e de ser seus amigos. Essa é a amizade que é necessária para nós todos e que devemos buscar, dia após dia, de novo”, expressou o Santo Padre.

Santa Teresa

A santa nasceu em Ávila, na Espanha, em 1515, em uma família numerosa, com nove irmãos e três irmãs. Aos nove anos, após ler sobre a vida de alguns mártires, improvisou uma breve fuga de casa para morrer como um deles, com o “desejo de ver Deus”, como disse a seus pais. Fica órfã aos 12 anos.

Entra no mosteiro carmelitano da Encarnação, também em Ávila, aos 20 anos. Três anos depois fica gravemente doente, a ponto de permanecer quatro dias em coma, aparentemente morta. Em 1543, seu pai morre e todos os seus irmãos emigram, um após o outro, para a América. Em 1554, aos 39 anos, alcança o cume da luta contra as próprias debilidades e um profundo sentido da presença de Deus.

Em 1562, funda, em Ávila, o primeiro Camelo reformado. Nos anos seguintes, prossegue as fundações, que chegam ao número de dezessete. Em 1568, encontra-se com São João da Cruz e ambos instituem o primeiro convento dos Carmelitanos Descalços. Obtém de Roma a aprovação como província autônoma para os Carmelos reformados, ponto de partida da Ordem Religiosa dos Carmelitanos Descalços, em 1580.

Morre em 15 de outubro de 1582, em meio à sua atividade de fundação, no retorno a Ávila. Repete humildemente duas expressões: “No final, morro como filha da Igreja” e “Chegou a hora, meu esposo, em que nos veremos”.

É beatificada por Paulo V em 1614 e canonizada, em 1622, por Gregório XV. É proclamada Doutora da Igreja pelo Servo de Deus Paulo VI, em 1970.

Uma de suas obras principais é o Livro da Vida, chamado por ela de Livro das Misericórdias do Senhor, composto no Carmelo de Ávila em 1565. A obra abrange o percurso biográfico e espiritual da vida de Teresa, com o objetivo de evidenciar a presença e a ação de Deus misericordioso na sua vida.

Em 1566, escreve Caminho de Perfeição. A obra mística mais famosa de Teresa é o Castelo interior, escrito em 1577 – é uma releitura do seu caminho de vida espiritual e, ao mesmo tempo, uma codificação da possível evolução da vida cristã rumo à sua plenitude, a santidade, sob a ação do Espírito Santo. Já á atividade de fundadora dos Carmelos reformados, Teresa dedica o Livro das fundações, escrito entre 1573 e 1582.

“Mais do que uma pedagogia da oração, a de Teresa é uma ‘mistagogia’: ao leitor das suas obras, ensina a rezar rezando ela mesma com ele; frequentemente, de fato, interrompe a história ou a exposição para irromper em uma oração”, explica o Sucessor de Pedro.

Fonte: http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=280269

DIANTE DA CRUZ

Publicado: 22/05/2010 em Carmelo São Jose

Toda festa exige uma preparação. A Páscoa é a maior festa cristã. Por isso a Igreja propõe para nós 40 dias de intensa oração e jejum. Lendo uma Carta de Santo Tomás de Aquino, pensei que seria oportuno transcrevê-la aqui: “Que necessidade havia para que o Filho de Deus sofresse por nós? Uma necessidade grande e dupla: para ser remédio contra o pecado e exemplo do que devemos praticar. Remédio, porque na sua paixão encontramos a cura contra todos os males que nos sobrevêm por causa dos nossos pecados.

Mas também exemplo. Quem quiser viver na perfeição, pode buscar desprezar aquilo que Cristo desprezou na cruz e desejar o que ele desejou. Na cruz não falta nenhum exemplo de virtude.

Exemplo de caridade: Ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos amigos (Jo 15,13). Se ele deu sua vida por nós, não devemos considerar penoso qualquer mal que tenhamos de sofrer por causa dele.

Exemplo de paciência! Quando alguém suporta com serenidade grandes sofrimentos, ou quando pode evitar os sofrimentos e não os evita. (1Pd 2,23); Is53,7; At 8,32; Hb 12,1-2).

Exemplo de humildade, contempla o crucificado: Deus quis ser julgado sob Pôncio Pilatos e morrer.

Exemplo de obediência: Como pela desobediência de um só homem, isto é, de Adão, a humanidade toda foi estabelecida numa condição de pecado, assim também pela obediência de um só, toda a humanidade passará para uma situação de justiça (Rm 5,19).

Exemplo de desprezo (Cl 2,3). Na cruz está despojado de suas vestes, escarnecido, cuspido, espancado, coroado de espinhos e, por fim, tendo vinagre e fel como bebida para matar a sede”.

Estimados Irmãos e Irmãs, proponho-lhes nesta quaresma, contemplar todos os dias, ao menos por alguns minutos, a Cruz de Cristo. Façam o exercício da Via-Sacra. Meditem na Paixão do Senhor.

Olhem para o Senhor derramando Seu Sangue Precioso por nosso amor.

Foi diante da Cruz que pude compreender o mistério mais profundo do Amor. Foi diante da Cruz que pude ver que não existe amor mais verdadeiro do que aquele que se dá sem temer.

Mãos e pés cravados numa cruz. Coração chagado e transpassado que nos acolhe, nos envolve no seu amor.

Escondei-vos nas Chagas abertas de Jesus! Lavai-vos e purificai-vos no Seu Sangue Divino!

Uma Santa e abençoada semana  para todos!

Irmã Elisabeth

Carmelo São José


escudocarmeloVocação: ChamadoSublime de Deus

“Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi  e vos estabeleci para que vades e deis frutos e o vosso fruto permaneça” (Jo 15,16).

A palavra vocação vem do latim vocare, que quer dizer chamado. Vocação é dom de Deus, não mérito nem privilégio de ninguém. Deus chama, escolhe, separa, consagra, une, confia uma missão ao vocacionado.

Cada pessoa tem uma vocação. Todos fomos chamados à vida e à missão. Cabe a cada um escutar a voz de Deus e responder com generosidade e amor ao chamado Divino.

O mês de agosto, no Brasil, é dedicado às vocações. No primeiro domingo destacamos o dia do padre, e neste ano por ocasião do Ano Sacerdotal, celebraremos com maior intensidade. O padre é um dom de Jesus Cristo. São homens que doam toda a sua vida pela Igreja, pelo povo. Nós devemos ajudar os padres para que se sintam, de fato, reconhecidos naquilo que são. Nós devemos dizer-lhes que nós os admiramos, nós os amamos, que queremos ajudá-los em tudo o que nos é possível.

No segundo domingo celebramos o dia dos pais e a abertura da semana da família. Refletimos então sobre a vocação de ser pai e mãe, de construir uma família. Como é bonita essa vocação, quando assumida com responsabilidade, diálogo e principalmente perdão!  Infelizmente hoje falta Deus nas famílias. Precisamos salvar nossas famílias. Olhemos para a Sagrada Família de Nazaré.

Na festa da Assunção de Maria, celebramos a vocação consagrada, feminina ou masculina. É o dia dos religiosos, daqueles que deixaram tudo para seguir Jesus através dos votos de pobreza, castidade e obediência.

No quarto domingo, é o dia de todos os ministérios leigos, de modo especial, dos catequistas. O catequista tem a grande missão de anunciar Jesus.  É semeador de novas vocações. É chamado a comunicar a pessoa de Jesus Cristo, a fazer o evangelho chegar no coração das crianças, dos adolescentes, jovens e adultos.

Vocação é coisa séria, dela depende o nosso futuro, e não só a nossa felicidade, mas a de muitos de nossos irmãos, pois como nos diz São Paulo: “Se vivemos, vivemos para o Senhor; se morremos, morremos para o Senhor. Quer vivamos quer morramos, pertencemos ao Senhor.” Rm 14,8

Se você ainda não descobriu a sua vocação, reze e peça as luzes do Espírito Santo, a fim de conhecer a vontade de Deus e realizá-la de todo o coração, custe o que custar.

Rezemos pelas vocações, rezemos pela perseverança dos sacerdotes e religiosos. Rezemos também pelas famílias, pois são delas que nascem as vocações.

Irmã Elisabeth,

Carmelo São José


O Carmelo é todo  de Maria escudocarmelo

A Solenidade deNossa Senhora do Carmo é a festa mais importante da Ordem do Carmelo.O Carmelo é todo de Maria, porque Ela é nossa Mãe e Mestra de vida espiritual. Tudo nos vem de suas puríssimas mãos. A Ela invocamos com confiança e amor filial.

A Novena a Nossa Senhora do Carmo é um momento de graça, é um tempo privilegiado para agradecer e pedir a intercessão de Maria.

Nós, Irmãs Carmelitas, preparamos com muito amor essa Novena. Esperamos que traga muitas bênçãos e graças para nossas famílias e nossa cidade.

Que Maria seja louvada e amada, como ela merece.

Irmã Elisabeth

Carmelo São José

Oração a Nossa

Senhora do Carmo

Santíssima Virgem Maria, esplendor e glória do Carmelo, olhai com especial ternura os que revestem do vosso Santo Escapulário. Cobre-me com o manto da vossa maternal proteção, pois a vós me consagro hoje e para sempre. Fortalecei a minha fraqueza com vosso poder. Iluminai a escuridão do meu espírito com a vossa sabedoria.

Aumentai em mim a fé, a esperança e a caridade. Adornai minha alma com muitas graças e virtudes. Assisti-me na vida, consolai-me na morte com a vossa presença e apresentai-me à Santíssima Trindade como vosso filho dedicado, para que eu possa louvar-vos por toda eternidade.

Amém.

Vocação

Publicado: 19/06/2009 em Carmelo São Jose

escudocarmelo

“Sou toda D’Ele e Ele é todo meu!”

A vocação da carmelita é passar a vida inteira em silêncio e adoração, num diálogo cordial com o Esposo. (Beata Elisabeth da Trindade).

Nossa vida no Carmelo é simples, é imitar o Mestre: amar como Ele amou, viver como Ele viveu. O Carmelo é a escola onde aprendemos com a Família de Nazaré o silêncio, a adoração e o serviço por amor, no amor e para o amor. A vida em comunidade é enriquecida com dons, e dons recebidos de Deus. E ao mesmo é exigente, pois o caminho é o que Cristo andou e uma esposa deve seguir o Esposo até o fim.

Nosso carisma é a oração, onde sem mesmo sair da Clausura podemos atingir o mundo inteiro pois tudo o que fazemos é para Ele, pela salvação das almas e a conversão dos pecadores. Não somos santas, mas almejamos a santidade, e no Coração de Maria encontramos refúgio nas dificuldades e provações.

Estamos aqui para rezar por todos, especialmente nas intenções da nossa cidade.

Deus abençoe a todos.

Irmã Clara Beatriz

Carmelo São José